terça-feira, novembro 30, 2004

Quero um chavão diferente

O Rev. Daniel Rocha, pastor da Igreja Metodista em Itaberaba, S.Paulo e Psicólogo, juntou-se à nossa causa e -coloca os chavões na berlinda-. O texto já não é tão novo, mas quem se importa? Afinal, chavões nunca envelhecem. Ou já são velhos por natureza...

"Pensei comigo: a moçada evangélica hoje está toda na Internet. E saí à busca de salas de bate-papo de evangélicos. -Confesso que tentei inúmeras vezes-, mas não consegui. Me adentrava por assuntos importantes e profundos da vida cristã e -as respostas eram chavões o tempo todo-. -Não se pensa, cria ou reflete-, só -se repete chavão- do tipo "glóooooria", "Ta amarrado", "É tremendooo", etc. Definitivamente, -repetir chavões a todo o momento não faz de ninguém um cristão-.

-Quero ser um crente diferente-. (...). Quero ser um crente que -vive bem com o seu próximo-. Quero ser reconhecido como um crente -pelo que eu "sou" e não por aquilo que "não faço"-.
Não quero ter de falar a todo momento que sou crente, para que outros saibam, mas quero -viver de tal modo- que outros -percebam Cristo em mim-.

O texto completo, aqui, no BWN.
Postar um comentário