quinta-feira, fevereiro 10, 2005

Os Chavões do Código da Vinci parte II - P. Zezinho

"Abençoa, Senhor, os chavões, amém!
Abençoa, Senhor, os meus também!"

O padre Zezinho também leu o Código da Vinci, e também fez seu comentário crítico, um primor recheado de chavões e sacadas geniais (aliás, comentar o livro, por si só, já virou chavão nosso de cada dia). O que em muito nos agrada, pois é mais um membro do -Priorado do Chavão-" (hehehe...)

Aqui, um pequeno aperitivo. Vale a pena ir lá e conferir a opinião dele
- e seus chavões também, é claro.


"É um livro e está -vendendo mais do que sorvete no verão-. Por -ossos do ofício- de professor e escritor católico, li o livro e três outros sobre ele, dois contra e um a favor. O escritor inglês, de menos de 40 anos, Dan Brown -conseguiu o que todo o escritor sonha-. Chegou lá. Suscitou polêmica e -está vendendo a rodo-.

(...) Dan Brown -ousou e sua ousadia deu certo-. -Não veio explicar e sim confundir e provocar-. Conseguiu.

Diante -desse tipo de livros, que contestam os papas, a Igreja Católica, e os vinte séculos de história de Cristo e dos cristãos- a maioria dos leitores em geral não procura explicação. Vale pela contestação. Finalmente, alguém -está pondo os pingos nos is-(...)

O escritor Dan Brown (...). É um escritor que -pesca diamantes em águas turvas-. Suja a água e espera que as pessoas venham procurar com ele as verdades escondidas naquelas águas turvas, O ingresso é o preço do seu livro.

-Papel aceita tudo. Livrarias e editoras, não-. (...)Vale a quantidade e o sucesso, não necessariamente a verdade! É o tipo de sociedade que criamos. -Vale mais o grau de exposição na mídia do que o conteúdo-! É... Pois é!
Postar um comentário