sábado, maio 24, 2014

Novas leis que podem virar chavão


Algumas leis, quando aprovadas, revogam também a lei da lógica. Se for assim, outras ideias também podem acabar virando lei.


1. Lei da palmada na cabeça. Proíbe jogadores de darem palmadas na cabeça do colega que acabou de marcar o gol. Pena: 2 a 6 anos de reclusão e um ano de contrato com o Flamengo.

2. Lei de Cotas para indigenas e asiáticos em times de Basquete e Futebol Americano. Obriga os times a reservarem 20% do seu plantel. Caso não encontrem, pode ser preenchida com brancos. Pena: 2 a 5 anos de reclusão e participar de um ritual da dança da chuva, até chover.

3. Lei da invasão e do vandalismo. Proíbe  policiais e cidadãos em geral de opinarem sobre e de praticar o ato de vandalizar ou invadir propriedade privada. Ainda, de discordar de quem faz  Pena: 1 a 5 anos de reclusão para opinião emitida. 10 a 30 anos de prisão por tentativa de intervenção e dispersão da manifestação.

4. Lei da Maconha e outras drogas. Obriga os cidadãos a fumarem um baseado pro semana. Proíbe chamar consumidores de drogas de viciados, apenas os que utilizam ciqarro e álcool. Os demais devem ser denominados de usuários. Pena: 3 a 5 anos de prisão e serviços voluntários em uma lavoura de cannabis.

5. Lei de cotas para símbolos das outras religiões dentro de qualquer templo de culto. Com exceção feita para a religião islâmica, porque ninguém é bobo de se arriscar. Pena: 1 a 5 anos de reclusão, com medida socioeducativa de participar em um culto de um partido politico ou evento acadêmico em uma universidade pública.

6. Lei da sexualidade. Obriga os cidadãos a concordarem com e, em algum momento, exercerem a pratica sexual em voga no momento. Pena: 10 a 20 anos de semi, quer dizer, de bem aberto.

7. Lei da Opinião. Extingue a possibilidade de opiniões claras e bem sedimentas, obrigando cada cidadão a sempre ser de moderado e relativista naquilo que pensa ou exprime, a não ser que concorde com a opinião já existente. Pena: 2 a 5 anos de semi-aberto e frequência semanal a aulas de ciências humanas.

Postar um comentário